Páginas

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Eu Prometo.



Você me pede juras de amor, mas eu não as acho válidas.
Prefiro promessas. Deus sempre promete, e cumpre. Então vejo a promessa como algo irrevogável, não só a palavra da boca, mas o compromisso do coração.
Por isso decidi apenas te prometer.
Te prometer que minhas palavras serão sempre sinceras.
E que meus atos serão demonstrações do meu sentimento por ti.
Não me acho grandes poetisa. Apenas escrevo o que me vem à mente.
Não é como escrevemos, mas sim sobre o quê nos expressamos.
Um bom assunto dá sempre um bom texto.
Você é um bom assunto.
E as palavras não são insuficientes. Mas mesmo assim eu as completo com ações. Com carinhos. Porém, elas falam tudo.
Eu sempre te falo tudo.
Não quero que existam segredos entre nós, pois estes funcionam apenas como muralhas, que mais cedo ou mais tarde caem, mas a distância, já definida, não tende a diminuir.

Eu prometo, que a lua sempre será mais bonita pra mim quando você estiver por perto.
E que o sol será meu pior inimigo, por me fazer encolher os olhos, e não lhe ver integralmente.
Eu quero prometer tanto, mas sinto medo de não ser fiel às minhas promessas. De esquecer.
Prometo nunca lhe magoar, me lembre disso.
Prometo nunca te fazer arrepender-se.
Prometo nunca prometer coisas que não intento cumprir.
Prometo lhe ser verdadeira, lhe amar e respeitar, na saúde e na doença... Ops, acho que esse juramento é só pra ocasiões especiais.
Mas meu bem, eu prometo.

Prometo, principalmente, que palavras não serão apenas palavras.

Desculpe, acho que falei demais.
Te adoro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário