Páginas

domingo, 27 de setembro de 2009



Amor Real


Quando me deixei levar pelos seus olhos, notei que, na verdade, não fora o formato dele, ou sua cor que me chamaram a atenção. Mas sim seu brilho. Um reluzir peculiar que dispara deles em direção à minha alma. Descobri que não consigo mais viver sem eles.

Notei também que sua alma, igualmente, brilha. Por mais que não seja o mais inteligente, ou culto, você é envolto por uma aura macia e agradável. Sempre disposto a tratar bem um amigo, ou amiga, e reservado com seus amores. Não os explana ou vulgariza, mas sim os conserva guardando-os bem fundo, num lugar onde só vocês podem estar. Procuro sempre a chave desse lugar, mas não tenho certeza se, se a tiver, quererei adentrar esse recanto secreto e provavelmente maravilhoso. Afinal eu mesmo nunca deixei que descobrissem o meu. Nunca deixei que percebessem o outro lado de mim, meu lugar de Amor Real. Onde não é mais minha mente que comanda meu corpo, mas sim meu coração. E ele é doce em sua tirania, e carinhoso em seu ciúme. E ele espera, no jardim do meu lugar de Amor Real. Ele espera alguém para abrigar com seus braços. Coração como o meu, talvez o seu, nosso. Não sei ao certo, não poderia dizer. Afinal não há como mandar em nosso coração. Ele se abre à seu bel prazer, e quando o faz , se desarma. Até ferido, se realiza, se nos olhos de quem ama.

E bem, seu brilho, seu lugar de Amor Real, sítio isolado no qual eu gostaria de jazer o meu. Mas a realidade é que, paciência ainda é a maior qualidade que podemos cultivar.

Enquanto isso eu me sustento, sob o brilho do seu olhar.



Nenhum comentário:

Postar um comentário